Exu

exuExu é um ser de luz, possuidor de gran­de astúcia e perspicácia. Sabe exatamente como identificar os pontos fracos dos seres humanos e consegue perceber sentimentos escondidos ou disfarçados dentro de nós.

Simboliza o vigor e a coragem.  Exu aflora os pontos mais obscuros dos seres, pois é o nosso próprio interior. É o mais humano dos Mistérios.

Os Exus são os guardiões, encaminhadores e combatentes das forças trevosas. Fazem a defesa e proteção dos médiuns e dos terreiros. É dele o primeiro combate, o combate direto contra as energias que circulam no astral inferior.

Esses atributos é que levam à incompreensão e o temor dos seres humanos em relação a Exu, afinal, ele conhece o lado obscuro dos médiuns e dos consulentes.

Os exus trabalham como guardiões, sempre respeitando a Lei maior e o livre-arbítrio de cada um. Dentre os exus que nos acompanham, temos:

– Exus Guardiões: São os responsáveis pela nossa esquerda.Atuam em nosso mental e sempre estão atentos aos perigos direcionados ao médium que acompanha. Incorporam somente em ocasiões especiais e geralmente não revelam sua identidade.

– Exus Naturais: são entidades que nos acompanham e trazem a energia da Esquerda em sua forma mais pura. Nunca encarnaram e nos acompanham desde a nossa criação.

– Exus de Trabalho: entidades que trabalham nas giras junto com seus médiuns.

Na Umbanda a origem de Exu está em função da necessidade de existirem guardiões, encaminhadores e combatentes das forças trevosas, trabalho básico da Umbanda. Por isso se diz que “Sem Exu não se faz nada”, pois não há como combater forças trevosas sem defesa e proteção.

Você já deve ter ouvido coisas do tipo: “Eu fui num terreiro e disseram que o trabalho contra mim foi feito por um Tranca-Rua”. Isso significa que o trabalho foi feito por um obsessor se passando por Tranca-Rua. Aliás, um espírito obsessor pode se passar por tudo, e pode sim plasmar toda a vestimenta de um Exu. Mas nunca poderá plasmar a sua Luz!

Cor: Preto / preto e vermelho (bicolor)
Atuação: Atua na proteção, quebra de demanda, vitalização e neutralização de energias, desequilíbrios emocionais, vícios
Guia: Em geral: miçangas leitosas pretas, vermelhas ou vermelhas e pretas.
Ferramentas/Oferendas: Punhal, adaga, pinga, charuto, cigarro, capa, cartola, bengalas, tridente
Flores/Ervas: cravos ou antúrios vermelhos; casca de alho, açoita cavalo, dandá, pinhão roxo, valeriana, sementes de olho de cabra, sementes olho de boi, garra de Exu (garra “do diabo”), raízes e folhas secas, carapiá, gengibre, bambu seco, pimentas, folha de pitanga, folha de mamona, espada ou lança de São Jorge.
Local: Encruzilhadas, matas, cemitério
Comemoração: 13 de junho (Dia de Santo Antônio)
Saudação: “Laroyê Exu!”